terça-feira, 23 de dezembro de 2008

A verdadeira historia do Natal



Origens Pagãs


Quando buscamos a verdadeira história do Natal, acabamos diante de rituais e deuses pagãos. Sabemos que Jesus Cristo foi colocado numa festa que nada tinha haver com Ele.



O verdadeiro simbolismo de Natal oculta transcendentes mistérios. Esta festividade tem sua origem fixada no paganismo. O dia 25 de Dezembro era um dia consagrado à celebração do “Sol Invicto”. O Sol tem sua representação no deus greco-romano Apolo e, seus equivalentes entre outros povos: Ra, o deus egípcio, Utudos na Babilônia, Surya da Índia e também Baal e Mitra.

Mitra era muito apreciado pelos romanos, apenas homens podiam participar de seus rituais. Era uma religião de iniciação secreta, semelhante aos existes na Maçonaria.
Aureliano (227-275 d.C), Imperador da Roma, estabeleceu no ano de 273 d.C., o dia do nascimento do Sol em 25 de dezembro “Natalis Solis Invcti”, que significava o nascimento do Sol invencível.

Todo O Império passou a comemorar neste dia o nascimento de Mitra-Menino, Deus Indo-Persa da Luz. Era também nesta noite o início do Solstício de Inverno, segundo o Calendário Juliano, que seguia a "Saturnalia" (17 a 24 de dezembro), festa em homenagem à Saturno. Era portanto, celebrado o dia mais curto do ano no Hemisfério Norte e o nascimento de um Novo Sol. Este fenômeno astronômico é exatamente o oposto em nosso Hemisfério Sul.

Quando o Cristianismo perdeu contato com sua verdade e tornou-se religião oficial por decreto de Constantino, Imperador de Roma em 317-337 d.C estas festividades pagãs estavam muito arraigadas nos costumes populares, e Constantino para não desagradar o povo decidiu 'harmonizar'as coisas. Constantino era adorador do sol e com sua religião destituida de poder, decretou o dia 25 de dezembro como uma festa Cristã, numa tentativa de agradar a 'gregos e troianos', transformando assim as celebrações de Mitra, Baal, Apolo e outros 'deuses' na chamada festa de Cristo.

Com o passar do tempo, veio o esquecimento e nem Mitra, nem Apolo ou Baal faziam mais parte do panteão de povo algum. Acabou restando somente os símbolos: a árvore, a guirlanda, as velas, os sinos e os enfeites.



A Arvore de Natal




Esse simbolo é também muito antigo, e nasceu no Egito quando os lavradores traziam folhas verdes para casa no final de ano, simbolizando o renascer da vida, e o triunfo da morte sobre a vida. A festa da Saturnália, sendo Saturno o deus da Agricultura,era comemorada com plantas verdes, luzes e presentes representando a prosperidade desejada para o próximo ano.
Séculos mais tarde, no Reino Unido sacerdotes chamados Druidas, usavam plantas verdes em seus misteriosos rituais no Solsticio, e usavam ramos verdes nas portas nessa época para manter afastados os espíritos malignos.
Mais tarde os Alemães começaram a usar arvores nas portas e dentro de casa, para mostrar esperança na proxima primavera.



Segundo a lenda Martin Luther, foi o primeiro a decorar uma árvore. Ele durante uma caminhada teria encontrado um belo pinheiro, trouxe para seus filhos e o iluminou com velas. Mais tarde começaram a decorá-la com bolas de vidro. Esse simbolo tem suas origens nesses costumes.



Papai Noel




Até que no séc. IV, mais exatamente no ano de 271, surge uma nova 'estrela' para essa festa, nasce Nicolau de Bari ou Nicolau de Mira. A generosidade a ele atribuída granjeou-lhe a reputação de mágico milagreiro e distribuidor de presentes. Filho de família abastada, doou seus bens para os pobres e desamparados. Ele era conhecido por seu grande amor pelas crianças e foi através delas que sua lenda se popularizou e que Nicolau acabou canonizado no coração de muitas pessoas.

No fim da Idade Média, ainda "vivo", sua história alcançou os colonos holandeses da América do Norte onde o “bom velhinho” toma o nome de “Santa Claus”. Ao atravessar os Portais do Admirável Mundo Novo, muito sobre o que dele foi escrito, rendeu-lhe vários apelidos, como: “Sanct Merr Cholas”, “Sinter Claes” ou “Sint Nocoloses”, e é considerado sempre como padroeiro das crianças.

O Papai Noel Ocidental

Até aproximadamente 65 anos atrás o Papai Noel era, literalmente, uma figura de muitas dimensões. Na pintura de vários artistas ele era caracterizado ora como um “elfo”, ora como um “duende”. O Noel-gnomo era gorducho e alegre, além de ter cabelos e barbas brancas.



No final do século XIX, Papai Noel já era capa de revistas, livros e jornais, aparecendo em propagandas do mundo todo. Cartões de Natal o retrataram vestido de vermelho, talvez para acentuar o chamado “espírito de natal”. A partir daí o personagem Papai Noel foi adquirindo várias nuances até que em 1931 a The Coca-Cola Company, contrata um artista e transforma Papai Noel numa figura totalmente humana e universalizada. Sua imagem foi definitivamente adotada como o principal símbolo do Natal.



A imagem do Noel continuou evoluindo com o passar dos anos e muitos países contribuíram para sua aparência atual. O trenó e as renas acredita-se que sejam originárias da Escandinávia. Outros países de clima frio adicionaram as peles e modificaram sua vestimenta e atribuíram seu endereço como sendo o Pólo Norte. A imagem da chaminé por onde o Papai Noel escorrega para deixar os presentes vieram da Holanda.

Hoje, com bem mais de 1700 anos de idade, continua mais vivo e presente do que nunca. Alcançou a passarela da fama e as telas da tecnologia. Hoje o vemos em filmes, shoppings, cinemas, no estacionamento e na rua. Ao longo desses dezessete séculos de existência, mudou várias vezes de nome, trocou inúmeras vezes de roupa, de idioma e hábitos e para a muitos ele é a 'verdadeira' estrela do Natal.



Particularmente gosto muito do mês de Dezembro, é final de ano, momento da descansar e celebrar sim as bençãos de mais um ano. Tempo de sol no Brasil, de neve e frio por aqui(USA). De frutas deliciosas nos tropicos. De castanhas e chocolate quente nos países frios.
Se o final de ano tornou-se pretexto comercial para alguns, é também um momento de confraternização para outros.
E mesmo tendo sido a celebraçao adulterada,comercializada, sua data inventada,
a mensagem de Natal continua real, e o impacto do nascimento de Jesus não pode ser negado por quem estuda seriamente a história.

Essa é uma adaptação feita por mim, de textos sobre verdades que já conhecia.

4 comentários:

Esther disse...

Muito bom esse texto, Mírian! Poucos conhecem a origem de todos esses simbolismos, eu mesma pouco sabia.

Achei interessante o que um dos meus amigos virtuais escreveu em seu blog: " O Natal é a única festa de aniversário que o aniversariante não comparece".

Mas ainda nos resta o espírito de camaradagem que reina nesses dias, é gostoso desejar coisas boas as pessoas e compartilhar dos bons sentimentos que esta época inspira.

bjs!

Marina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marina disse...

Miriam querida, que saudade!!!!!!!!!!!
Sensacional como informaçao, eu para dizer a verdade nao sabia era nada sobre isso.
Recebi esse texto num email,mas veio sem fonte, achei estranho, mas vejo que voce acrescentou bastante coisa e colocou a fonte o que é mais importante.
Muito bom trabalho, é bom saber a origem das coisas.
Mas como voce disse no final, a mensagem do Natal continua real!

beijos e um otimo Natal para voce e Jean-Louis e que 2009 seja um ano vitorioso cheio de amor e tudo o mais que houver de bom!

Rafa disse...

Feliz Natal Mirinha! Feliz dia de Mitra, feliz qualquer coisa, mas continue feliz rs!

Que o seu Natal seja muito muito feliz, cheio de amor e alegria. Voce merece muito essa felicidade que esta vivendo! Que 2009 seja ainda melhor, se for possivel :)

Beijos para voce e Jean Louis!
voce faz falta demaisssssssss.